Sociedade Recreativa Desportiva Serrinha

Fundada em 6 de dezembro de 1896.
A Sociedade Recreativa Desportiva Serrinha é o sexto Clube de Caça e Tiro mais antigo de Blumenau. Teve início no dia 06 de dezembro de 1896 com a fundação da SCHÜTZENVEREIN HARMONIE na Vila Itoupava, na época conhecida como Untere Itoupava Rega (Itoupava Rega baixa).
Os Clubes de Caça e Tiro tinham por tradição a manutenção da cultura trazida pelos imigrantes. As armas utilizadas na defesa contra animais e saqueadores, em dias de festividades eram usadas para disputar a habilidade no tiro, que seria proclamado o Rei dos atiradores. Estas festividades além de exercitar a prática de tiro, também tinham como objetivo a integração, diversão e manutenção da cultura alemã.
Foi fechada em 1917 por consequência da Primeira Guerra Mundial e reaberta em 1926.
Em 1937 devido a forte instabilidade governamental, o presidente Getúlio Vargas instituiu a política do Estado Novo. Com a implantação da Campanha de Nacionalização no final da década de 30, tirou-se dos descendentes de alemães o seu direito de comunicação em sua língua herdada e proibiu-se toda e qualquer manifestação de seus hábitos culturais. Muitos clubes de caça e tiro, como também escolas alemãs, sofreram com esta repressão, pois eram compostas quase integralmente de descendentes diretos de alemães. A proibição dos idiomas europeus teve um significado ideológico profundo para as populações de origem alemã, significou uma interferência na sua cultura, e até na sua própria personalidade. E da maneira impositiva como foi feito resultou em traumas, porque abruptamente a comunidade ficou privada de suas festas, de suas bandinhas, de seus jogos, de seus livros e suas cerimônias religiosas em língua alemã, do colégio alemão. A crise piorou com a assinatura do Governador Nereu Ramos, no dia 13 de janeiro de 1938, do Decreto nº 35 que criou leis repressivas e proibiu o uso de nomes estrangeiros em sedes e clubes. Consequentemente os Schützenverein passaram a ter novas denominações, agora brasileiras.
Surge em função destas pressões em 1939 a mudança de nome, e passou a denominar-se SOCIEDADE DE ATIRADORES HARMONIA. No início da década de 40, com o agravamento da questão política internacional e a explosão da Segunda Guerra Mundial, a repressão aos clubes de caça e tiro aumentou, culminando com o fechamento dos mesmos. Pois muitos dos seus frequentadores portavam armas para a prática do esporte e talvez este motivo inquietasse o governo da época. Na ocasião, a fiscalização foi feita pelo 32º Batalhão de Caçadores (hoje o 23º BI). Foi nesta época que muitos documentos, utensílios e materiais dos clubes foram escondidos e até queimados por sócios para não sofrer sanções criminais por parte do governo. Pois muitos foram obrigados a tomar óleo lubrificante quando pronunciavam palavras na língua alemã. Apenas a espada do comandante, bandeira, uma placa de madeira da fundação, faixas dos homenageados e poucas fotos foram salvas.

Os sócios inconformados com o fechamento do Clube de Caça e Tiro (Sociedade de Atiradores Harmonia), resolveram fundar no dia 3 de janeiro de 1943 a SOCIEDADE DESPORTIVA CRUZEIRO DE SUL, com o objetivo exclusivo da prática do futebol.
Em 1946 após a diminuição das hostilidades políticas, volta-se a um cenário de maior tranquilidade, e o clube volta a pensar no seu funcionamento oficial. Foi enviada uma correspondência ao estado, solicitando a posse e a abertura da Sociedade. Mas somente em 30 de junho de 1948 acontece a alteração da Sociedade de Atiradores Harmonia que estava fechada até então, passando a ser SOCIEDADE RECREATIVA HARMONIA.
Em 10 de outubro de 1948 em assembleia Geral Extraordinária aconteceu a fusão Sociedade Recreativa Harmonia e a Sociedade Desportiva Cruzeiro do Sul passando a denominar-se SOCIEDADE RECREATIVA DESPORTIVA SERRINHA. Em 1954 ao publicar seus estatutos a Soc. Recreativa Desportiva Serrinha era dirigida pelos sócios: Mário Manzke, presidente; Helmuth Danker, vice-presidente; Arno Kardauke, 1º secretario; Edgar Gruetzmacher, 2º secretario; Alfred Ziehsdorf, 1ºtesoureiro; e Willy Hadlich, 2º tesoureiro.
Além de dar continuidade as festas tradicionais de Rei, prática de tiro (100 e 50 metros), futebol, skat e tiveram início as atividades de faustbal (punhobol), Grupo de Canto e Grupo de Teatro denominado de “Theategruppe Die Deustche Bauernbühne” (Palco Típico Rural Alemão). O Grupo era composto por 30 integrantes na faixa de 20 e 50 anos, liderados pelo Sr. Johannes Jacobsen, natural do norte da Alemanha, e sua esposa Sra. Thea Jacobsen. Além de proporcionar espetáculos artísticos, também era uma forma de encontro entre amigos. O Grupo era totalmente amador, os cenários os próprios integrantes confeccionavam. Uma parte dos lucros das sessões era destinada à Sociedade Serrinha. O Grupo teve grande aceitação porque foi o primeiro a apresentar peças no idioma alemão após a Segunda Guerra Mundial. Na reforma da Sociedade em 1955, o telhado foi erguido para elevar os vários cenários utilizados nas apresentações das peças. As apresentações eram realizadas no Serrinha bem como nas cidades vizinhas. Entre várias apresentações, vale destacar a apresentação no dia 27 de novembro de 1954, a comédia “Der Unsterbliche Charles” (Charles o Imortal), em 5 atos no Teatro Carlos Gomes, na época o maior do Estado. A mesma peça foi assistida por 1.237 espectadores em 6 apresentações em diversos locais. O Grupo permaneceu na ativa até o início da década de 60, quando o casal Jacobsen mudou-se para São Paulo.

Componentes do Grupo Teatral:
Helmuth Danker, Raul Gnevuch, Udo Manzke, Waltraud Holzinger, Edgar Gruetzmacher, Thea Jacobsen, Johannes Jacobsen, Mario Manzke, Gerhard Mueller, Franz Tscherzowsky, Asier Bauer, Willi Schumann, Erica Ulrich, Gretchen Schumann, Hermann Bublitz, Edith Manzke, Gerda Woerner, Helmuth Ulrich, Alwin Voelz, Fritz Kümelmeyer, Katilchen Peschke, Ani Richter, Tekla Bublitz, Giesela Züelow, Willy Richter, Carl Heins Conrad, Erica Conrad, Frau Hoffmann e Waltraud Holzinger, Arno Kardauke.

Principais peças:
• Der Unsterbliche Charles (Charles o Imortal)
• Der Sturz Ins Glueck (A Queda Para a Felicidade)
• Der Kuhhandel (A Negociata)
• Inkognito (Incógnito)
• Ein Dutzen Eier (Uma Dúzia de Ovos)
• Kleider Machen Leute (A Vestimenta Faz a pessoa)
• Für Die Katz (À Toa)

Também eram realizados Bailes de Chopp, “Masken Ball” (Baile de Máscaras) e exibição de filmes (cinema).
A filiação da S. R. D. Serrinha na LBF (Liga Blumenauense de Futebol) aconteceu no dia 9 de julho de 1954 dirigido ao presidente da entidade, Sr. Sebastião Cruz. O primeiro uniforme registrado da LBF era composto por camisas com listras verticais, azul, branco e amarelo. Emblema branco c/ inscrição S. R. D. Serrinha bordado em azul, números e calções pretos. A equipe do Clube conquistou três vezes o título da Segunda Divisão de Amadores da Liga Blumenauense de Futebol (1974 contra a equipe do Nova Aurora bairro Itoupava Central (duas vitórias de 2 x 1), 1980 contra a equipe do Cometa Esporte Clube da cidade de Rodeio (três empates sendo decido nos pênaltis) e 1993 contra a equipe do Horizonte E. C. do bairro Garcia (duas vitórias). Realizou dois jogos internacionais contra equipes da Alemanha no dia 17 de julho de 1977 – “S.C. Grünn Weis 1920” 6 x 2 para os visitantes e 7 de outubro de 1984 – “Hamburbo E. C.” 3 x 2 para o time da casa, este clubeinclusive com ex-jogadores da seleção alemã da década de 60 e 70. No dia 31 de maio de 2006 foi realizado um amistoso de futebol suíço entre os veteranos do Serrinha e a equipe completa de futsal da Malwee (Campeã da Liga Nacional, Campeã de Clubes do Brasil e diversas conquistas internacionais, além do jogador eleito melhor do mundo, Falcão).

As atividades de bolão tiveram início em fevereiro de 1960 com a construção da cancha de duas pistas. Antes era praticado numa cancha rústica. Em 21 de junho de 2003 foi inaugurada a cancha de quatro pistas.
Em 1975 na S. R. D. Serrinha foi fundada a Federação Catarinense de Skat. Também nesta Sociedade foi realizado o primeiro Torneio de Skat de Blumenau. O departamento de Skat foi representado pelo “Grupo de Skat Max Haufe”. O grupo já participou em competições no Chile, Uruguai e Argentina. E além de diversas conquistas estaduais com também no Campeonato Brasileiro (individual em 1979 com Willy Wulf e 2000 com Geraldo Sprung).

Em 2008 a senhora Elvira Hein encontrou na sua residência a antiga bandeira e documentos que haviam sido escondidos por Hermann Hein durante a repressão na vigência do Estado Novo (1937).  Somente 6 décadas depois este importante material histórico foi encontrado e devolvido ao clube. Diante disso, o presidente Manfred Gruetzmacher criou um novo brasão e a bandeira com elementos resgatados do material original.    

Histórico elaborado pelo Grupo de Estudos da Vila Itoupava em 1996.

Integrantes: Mario Manzke, Helmuth Danker, Mario Manzke Filho, Maurício Wulf, Rogério Richter, Rubens Hein Lauro Klemz e Manfred Gruetzmacher.

Rua Hermann Hein, 87 - Vila Itoupava - Blumenau - SC

(47) 3378-1977